GAFAnomics Resultados [4º trimestre de 2021]

22 de Mar 2022

Neste GAFAnomics Resultados fazemos uma análise aos resultados do 4º trimestre de 2021 e aos principais movimentos estratégicos das empresas que lideram a nova economia. 

Neste estudo (versão em francês):

        1. Análise aos resultados do quarto trimestre de 2021, pela lente dos analistas da Fabernovel.
        2. O novo poder dos preços, rumo a um modelo económico mais sustentável?

       

    2021 entre a queda dos gigantes asiáticos e o bom desempenho americano

    “Em 2021, os gigantes da tecnologia voltaram a ter um ano recorde, demonstrando a sua capacidade de criar novas fontes de valor num contexto de mudança, entre a recuperação económica e a incerteza sanitária. Se por um lado, os GAFA conseguiram, num ano, gerar o equivalente a uma nova Amazon em capitalização bolsista, por outro lado, este ano marca a queda dos gigantes asiáticos (Alibaba, Meituan, Baidu, Tencent, etc.), que foram gravemente afetados pela regulamentação chinesa, tanto em termos de utilização, como da capacidade destes gigantes de utilizarem os dados dos clientes.”


    Axelle Ricour-Dumas,
    Managing Director – Corporate Strategy na Fabernovel

     

    1) Quarto trimestre de 2021, pela lente dos analistas da Fabernovel 

     

  1. Os valores das tech entraram numa zona de turbulência no quarto trimestre

    O índice Fabernovel, composto pelas 20 gigantes tecnológicas analisadas neste estudo, caiu 17% em bolsa, no último trimestre de 2021, representando uma perda de valorização de 2,3 biliões de dólares, ou seja, quase o valor total gerado por estes mesmos gigantes em 2021. A causa: a falta de visibilidade e a incerteza global ligada ao contexto sanitário e geopolítico dos últimos meses, que levou a uma queda acentuada dos índices bolsistas. O único setor que se destacou foi o setor energético, que registou um desempenho de +29%, beneficiando da recuperação económica com o regresso ao escritório. Mesmo os players tecnológicos cujas estimativas para 2022 foram revistas em alta, tais como a Tesla, não foram poupados a esta crise de confiança.

  2.  

    O flop: Facebook, um modelo que está a ficar “sem vapor”

    “Com uma queda de 382 mil milhões de dólares no valor de mercado, o grupo Meta sofreu a maior queda do trimestre e está a abandonar o clube das empresas bilionárias”, explica Jean-Christophe Liaubet, Managing Partner da Fabernovel. “A Meta está atualmente a atravessar uma verdadeira crise de confiança entre todas as partes e mesmo que a sua visão tecnológica com o metaverso seja a correta, a empresa deve acima de tudo mudar o seu modelo e voltar a colocar o seu ecossistema no centro da sua estratégia, incluindo os seus utilizadores. Embora a Meta continue a crescer o seu volume de negócios de +20% (34 mil milhões de dólares), as suas receitas publicitárias mostram um claro abrandamento – uma tendência que deverá continuar nos próximos trimestres – e pela primeira vez na sua história a empresa registou uma queda no número de utilizadores mensais activos (menos 1 milhão em comparação com o 3ºT de 2021).

     

    No top: Apple ganha em (quase) todas as frentes

    “Após ter ultrapassado a marca dos 3 biliões de capitalização bolsista em janeiro de 2022, a Apple apresentou o melhor trimestre de sempre em termos de receitas (+11% em comparação com o mesmo trimestre de 2020), mais uma vez ultrapassando as previsões dos analistas. A empresa está a conseguir impor-se tanto no hardware como no software”, comenta Pierre Gonnet, analista na Fabernovel.

    O desempenho foi melhor em todas as linhas de produtos – exceto no iPad – apesar da crise no fornecimento de componentes, que forçou a empresa a reduzir a produção do iPhone 13. Os serviços registaram o maior aumento (+25% em comparação com o trimestre anterior), o que ajudou a compensar as perdas devido à inflação e a problemas de abastecimento.

    A recuperação da Apple na China também é impressionante. A empresa recuperou a sua posição de liderança nas vendas de smartphones, que tinha perdido há seis anos. Apesar de as vendas de smartphones terem descido 9% na China, a Apple registou um aumento de 32% nas vendas de iPhones.

    “O único ‘verme’ na maçã é a situação de monopólio da App Store, que está sob fogo dos reguladores em todo o mundo, e as investidas dos concorrentes aos quais a Apple prefere responder pagando multas.”, conclui Pierre Gonnet.

    A surpresa: Microsoft, o próximo líder em videojogos

    Ao adquirir a empresa de videojogos Activision Blizzard, por 69 mil milhões de dólares, a Microsoft fará a maior transação na história do mercado dos videojogos e a maior transação em dinheiro de sempre. Se o negócio se concretizar (durante 2023), a Microsoft tornar-se-á o 3º maior player do mundo em videojogos, posicionando-se sobre os três pilares estruturantes do futuro dos jogos: comunidades, conteúdo e ativos tecnológicos. Mesmo que os jogos da Activision permaneçam certamente acessíveis aos utilizadores de outras consolas concorrentes, como a Playstation da Sony, a Gamepass da Microsoft parece ter todos os superpoderes dos GAFA. No entanto, já se está a prever uma futura situação de monopólio nos jogos online por subscrição.

    O foco: A incerteza do mercado bolsista torna as entradas em bolsa mais complexas

    Embora os valores dos IPO tenham duplicado a nível mundial em 2021, em comparação com 2020, a inflação e a incerteza do mercado vão, provavelmente, pesar nas avaliações do mercado bolsista em 2022. As futuras entradas em bolsa anunciadas pela Stripe, Discord, eToro e Klarna serão certamente impactadas por este ambiente.

    Neste estudo GAFAnomics colocamos também em perspetiva declarações dos líderes das empresas tecnológicas e acontecimentos chave do trimestre. Por exemplo, o anúncio da Amazon de encerramento de 68 lojas Amazon Books, Amazon 4-Star e Amazon Pop Up, que foram lançadas, desde 2015, com o objetivo de testar novos  conceitos de retalho. Nesta estratégia de inovação de “testar e aprender”, a Amazon decidiu reorientar as ambições, concentrando-se nos alimentos e no vestuário para o mercado retalhista físico para validar as suas inovações tecnológicas. Exemplo disso são a Amazon Fresh e a Amazon Go, com um sistema de pagamento Just Walk Out, e a Amazon Style lançada em janeiro para optimizar e personalizar a experiência de compra de vestuário.

    2) O novo poder dos preços, rumo a um modelo económico mais sustentável?

    O anúncio da Leclerc, no início do ano, de que iria vender baguetes por 29 cêntimos pode parecer anedótico, mas, no entanto, reposicionou o debate sobre o valor das coisas. O chef de cozinha Thierry Marx lembrou-nos nesta ocasião que o low cost era “destrutivo de valor”.

    “Só as empresas que enriquecem continuamente a sua proposta de valor, em termos de experiência, ética e profundidade da oferta, conseguirão implementar uma estratégia de aumento dos preços para contrabalançar o aumento dos custos. Ou, para além disso, para se darem a si próprias a capacidade de reinvestir nos seus produtos e nos seus modelos. Ao considerar melhor as questões dos stakeholders, estes players serão capazes de assegurar um modelo económico sustentável, sem arriscar um impacto negativo na evolução da procura e da sua base de clientes”, explica Axelle Ricour-Dumas, Managing Director – Corporate Strategy na Fabernovel.

    “O modelo de pricing power não é novo. Sempre se baseou numa estratégia de imagem de marca, centrada em torno do marketing e especialmente da publicidade. Hoje em dia, o pricing power deve evoluir para uma estratégia de scoring, centrada na experiência”, explica Cyril Vart, Vice-Presidente Executivo da Fabernovel. “Hoje, o cliente associa cada momento passado com uma empresa ou uma marca de uma forma positiva ou negativa. Por isso, se um assistente de loja se esquecer de se despedir, o cliente pode continuar a gostar da marca – ou não, mas haverá uma queda na sua apreciação global. Inversamente, se a marca for transparente nos seus processos de fabrico, por exemplo, ou se acrescentar sempre mais valor, ganhará pontos”.

    Para ter sucesso numa estratégia de pricing power nesta nova economia, as empresas devem contar com uma das novas alavancas: vantagens competitivas através da personalização, simplicidade e riqueza de experiência, a relação de confiança com os utilizadores e uma proposta de valor infinito.

    E, neste jogo, alguns gigantes digitais, com modelos baseados na criação de valor, ainda estão à frente do jogo.

  3. Nike, a empresa que adota as estratégias dos gigantes da tecnologia para criar a sua vantagem competitiva

    A Nike é hoje a ilustração de uma “empresa de tecnologia” que adota as estratégias dos gigantes da tecnologia, desenvolvendo produtos para atrair e reter clientes no seu ecossistema. Desde 2018, a empresa tem reforçado a estratégia D2C (Direct-to-consumer), através do desenvolvimento de aplicações gratuitas, como o Nike Run Club e o Nike Training Club, que melhoram a experiência e funcionam como uma ponte para o e-commerce. A Nike está também a investir na experiência dos clientes, através de ofertas e benefícios exclusivos dentro do programa de fidelização NikePlus, que tem 300 milhões de membros, que gastam em média 40% mais do que outros clientes.

    Esta estratégia é rentável porque, ao reforçar a relação com os clientes e ao desenvolver um segmento de super-compradores altamente cativos, a Nike está a aumentar o seu pricing power: um par de Air Force 1s passou de 55 euros, nos anos ’90, para 92 euros, atualmente.

  4.  

    A Apple constrói confiança

    Com a atualização ao iOS 14, que reforça a privacidade dos dados, a Apple demonstra a ambição de reforçar a confiança. Trata-se de uma aposta na promessa de transparência e proteção dos interesses dos utilizadores dentro do seu ecossistema fechado de produtos e serviços pagos. Ou seja, uma abordagem que se opõem, por exemplo, à do Facebook, baseada em receitas publicitárias e, portanto, na utilização dos dados pessoais dos utilizadores. Esta alavanca permite à Apple justificar o aumento do preço do iPhone 13 em 81%, em relação ao iPhone original. Ou seja, uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 4,3%, mantida durante um período de 14 anos.

    Amazon, um reforço permanente do ecossistema de serviços

    A força da Amazon reside na construção do seu ecossistema fechado de serviços e transações de e-commerce. A empresa está constantemente a enriquecer a proposta de valor do serviço de subscrição Prime, em termos de experiência e variedade de serviços oferecidos, de forma a incentivar uma utilização diária dos serviços. Desde a criação em 2014, a oferta do Prime continuou a conquistar novos subscritores nos EUA – de 40 para 150 milhões de subscritores, apesar de ter aumentado em 15% o preço da subscrição, de 4 em 4 anos (de 99 dólares para 139 dólares).

    A degradação da confiança e da proposta de valor põem em causa a capacidade de certos modelos manterem o seu pricing power. Este é particularmente o caso do gigante europeu Spotify que, ao investir 100 milhões de dólares nos controversos podcasts de Joe Rogan, criou um desalinhamento entre a sua estratégia (investir num podcast com uma grande audiência) e as preocupações dos stakeholders. Alguns utilizadores ou artistas, como Neil Young e Joni Mitchell, chegaram ao ponto de boicotar a plataforma para demonstrar a necessidade de moderação de conteúdos. O Spotify parece estar a adotar uma lógica de poder de preços, com um primeiro aumento de preços em 2021 e com o anúncio de novos conteúdos e funcionalidades. No entanto, a recente perda em massa de utilizadores, que levou a uma saturação da plataforma, e a queda em bolsa (-6% quando foi anunciada a saída de Neil Young, no final de janeiro, causando a perda de 1,8 mil milhões de euros) prenunciam a incapacidade de manter esta estratégia sem recuperar a confiança perdida.

    *Empresas analisadas neste Gafanomics Resultados: Apple, Alphabet, Alibaba, Amazon, Baidu, Facebook, Lyft, Microsoft, Meituan, Netflix, Tesla, Paypal, Salesforce, Snap, Spotify, Square, Twitter, Tencent, Uber e Zoom. 

     

    Gostaria que este estudo fosse apresentado na sua empresa? Contacte a FABERNOVEL:

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

%d bloggers like this: